Mãe Stella de Oxóssi e a sua legião de Hipócritas

Casa de Xangô do Ilê Axé Opô Afonjá, localizada em São Gonçalo do Retiro, Salvador – BA

Aos 92 anos, 79 deles dedicados ao candomblé e 41 como sacerdotisa do Ilê Axé Opô Afonjá, Mãe Stella de Oxóssi, também imortal na Academia de Letras da Bahia, mudou-se de Salvador, onde o terreiro está sediado, para Nazaré das Farinhas no Recôncavo Baiano. Depois de sofrer um acidente vascular cerebral, Mãe Stella perdeu quase toda a visão e se locomove com a ajuda de uma cadeira de rodas. A piora em seu estado de saúde abriu uma guerra silenciosa em torno da sua sucessão. Atualmente, pelo menos cinco grupos movimentam-se para suceder Mãe Stella, que não preparou nenhum nome natural ao posto.

Os membros do terreiro acusam a psicóloga Graziela Domini, companheira de Mãe Stella, de manipulá-la, vender partes do patrimônio do terreiro e assumir as tarefas que só caberiam a Ialaoríxa dentro dos fazeres do ilê, além de afirmar que por sua condição de fragilidade a liderança não tem condições psicológicas de tomar decisões. Por sua vez, Graziela argumenta que apoia e cuida da mãe de santo, portando laudos que garante a boa condição psicológica da matriarca e sua co-responsabilidade pelo tratamento e demais decisões médicas envolvendo o estado de saúde dela e justifica que apenas assessora a mãe de santo no terreiro, uma vez que com a saúde debilitada tem dificuldade de locomoção e visual. A psicóloga ainda relata que foi agredida, arrastada para fora do terreiro por cinco homens e que o presidente da Sociedade Cruz Santa do Afonjá, Ribamar Daniel, queria impor sua separação da imortal, fixando sua residência no terreiro e sob os cuidados de seus membros.

Por localizarmos que Mãe Stella e Graziela Domini foram vítimas de lesbofobia e misoginia compartilhamos o desabafo de Paula Azeviche, sobre a violência cometida contra a relação de duas mulheres e principalmente sobre o silêncio e a apatia das comunidades de terreiro no caso que representou desrespeito e agressão a maior e mais importante representante do candomblé viva no Brasil e a sua companheira.

Mãe Stella de Oxossi e sua companheira a psicóloga Graziela Domini, arrastada por 5 homens do Ilê Axé Opô Afonjá
Por Paula Azeviche
Pedagoga e mestra em Estudos Étnicos e Africanos – FFCH/UFBA

Então, já que eu não sou feita no Candomblé, portanto, não entendo quase nada de hierarquia na religião, vamos falar de uma mulher, negra, de 92 anos, que vive o amor com uma mulher branca, de 55 anos há 12 anos.

Vamos falar também, que esta mulher, negra, não tem respeitada a sua voz, quando diz que quer ir morar em outra cidade, ao lado da companheira. Daí, eu quero ressaltar que, nesta conversa, tem 5 homens na frente destas duas mulheres formando uma barreira e as impedindo de falar qualquer coisa. Tem uma mulher que grava tudo, e tem outros homens e mulheres ao redor, mas ninguém faz nada. E, no desfecho deste vídeo, uma mulher, de 55 anos, que é arrastada para fora do ambiente da discussão por 5 trogloditas, com comandos de: “não deixe marcas”, “sem machucar”, todo o processo de humilhação é minuciosamente orquestrado.

O vídeo, evidentemente, foi vazado, e publicado por alguns importantes jornais da Bahia. E do lado de fora desta cena vergonhosa? O silenciamento, completo e absoluto da história de vida de uma mulher negra, que lutou (ainda luta) e viveu (e está bem viva!) por uma comunidade por mais de 8 décadas. Agora, essa mesma comunidade, passa por cima dos seus interesses, a trata como incapaz, fala que, devido a idade, esta mulher não tem mais condições de pensar sobre a sua própria vida e que está sendo manipulada pela mulher que ela diz que ama.

Absoluto contrassenso. Esta senhora de 92 anos é guardiã e mantenedora de um saber ancestral, mas ao mesmo tempo, é uma incapacitada. Como assim? É aquela história de onde filho chora e mãe não vê. Conhece o ditado? Mas aqui, quem chorou foi a mãe. Esta é a história de Mãe Stella de Oxóssi, importante Iyalorixá baiana, escritora, premiada, Doutora Honoris Causa pela Universidade do Estado da Bahia. Seguindo casada com uma mulher, por tanto, em um relacionamento lésbico, Mãe Stella perde todo o seu status por simplesmente querer ser feliz. E o resultado disso, é o silenciamento da sua voz. Ninguém é a favor de uma lésbica, ainda mais se for negra.

Não importa a idade, não importa a sua patente, eu vou arrastar a sua mulher na sua frente, eu vou fazer o seu peito sangrar, eu vou fazer sua voz estremecer, eu vou fazer, porque você não pode comigo: o machismo que mata, a lesbofobia que invisibiliza, o sexismo que é ultrajante.

“Por que não vejo quase ninguém indignado com este crime?”
Vão esperar Mãe Stella morrer para dar o caso como esquecido, apagado, foi um episódio que não deverá ser lembrado. Mas aí, existe uma ação na justiça, contra a companheira da Mãe Stella, com mais de 70 assinaturas, acusando ela disso e daquilo, rola as conversas de que, bons filhos, vão visitar a Mãe e que são impedidos, e essa é a prática de perseguição, até que se conclua o Feminicídio de uma ou da outra, ou das duas. Porque é assim que funciona.
Quero que qualquer um fale para mim, que se fosse um homem que estivesse do lado de Mãe Stella, sentado no sofá, se ele seria arrancado do lado da sua mulher daquele jeito e muito menos se seria filmado. Então, nem venham com conversa fiada que a sexualidade da Mãe de Santo não é a pauta. Só é a pauta. Porque é assim que é!
Mas eu não vi ninguém fazer textão com a dor da lésbica negra.
Ah, já sei. Tem o lance do lugar de fala. Saquei. Mas então esse papo de sororidade, solidariedade é só para as mulheres de verdade, né? Para as filhas da heteronormatividade.
Tudo dito, a sua omissão não me surpreende. Eu sou vítima da omissão todos os dias. Sei o que é existir sem ser vista. Sou casada com uma mulher negra, sou Pedagoga, Mestra em Estudos Étnicos e Africanos, produtora cultural, ativista das causas sociais e raciais desde a minha juventude, mas enquanto eu mantinha relacionamentos héteros eu era a maravilhosa, cantora, atriz, a foda na Bahia! Agora, eu nem sei quem sou para as pessoas, e pouco me importa. Sou que nem a Mãe Stella, tenho o “rabo preso” com a minha companheira, com quem construo a minha vida, meus planos, pago as minhas contas.
Eu estou com Mãe Stella de Oxóssi, porque falar de sexualidade nesse mundo, é tomar posse máxima da liberdade de ser quem você é.
Sinto muito por tudo o que aconteceu, sinto por tanta gente hipócrita, que tem o conhecimento da história, mas que não tem a mínima coragem de partir em sua defesa, porque na real são lesbofóbicas, machistas, sexistas, me dão nojo. Sinto e te respeito, te amo, peço por você, e te peço a benção, Mãe. Oxóssi que te proteja.

Homens cisheterossexuais armas de destruição em massa, excluídas da MoNSTRuoSaS

A Monstruosas é uma iniciativa de combatividade, resistência, criação e agitação política em perspectiva antiheterossexista, anticissexista, anticolonial e interseccional, voltada para o encontro e fortalecimento das sexualidades e gêneros dissidentes.

A construção das masculinidades tóxicas e hegemônicas, perpassa, para nós, a virilidade, a falocracia, a intransigência e a insensibilidade. Isto precisa, além de ser questionado, hostilizado e confrontado, porque são nestes aspectos que se baseiam a deslegitimação dos comportamentos desviantes, das subjetividades, além das violências sexuais e de gênero que bichas, homens trans e não homens sofrem cotidianamente. Sendo assim, este evento é voltado para todes aqueles que não se sentem confortáveis com a imposição da masculinidade cisgênera e heterossexual (corpos víris, agressivos e não violáveis; penetradores universais e castrados de próstata), já que esta ocupa um local de proteção e privilégio exclusivo e supremacista. Ser hostil a homens cisheterossexuais, não significa deslegitimar as masculinidades trans e gay, pelo contrário, é entendê-las como um ponto de criticidade no que diz respeito a ser homem e como ameaça a soberania viril, representando o fracasso do controle biopolítico dos corpos.

Caso Dandara: homens cisheterossexuais espacancaram a travesti até a morte no Ceará

Entendendo que toda experiência é única e que os grupos identitários não são homogêneos, sabemos que ao hostilizar a presença de homens cisheteros estamos tornado o espaço convidativo para certos grupos ao passo que excluímos outros. Porém, nos afastamos da concepção de luta individualista e liberal, comum na militância e/ou ativismo LGBT, pensando a questão de gênero e as sexualidades para além da perspectiva de afirmação das identidades. Desta forma, um evento anticissexista voltado para sexualidades e gêneros dissidentes não é capaz e nem tem interesse em contemplar todas as vivências a partir somente da congruência sob os locais de fala, já que muitas vezes eles são conflitivos entre si. Assim, não temos outra escolha se não priorizar algumas experiências em detrimento de outras a partir de uma ética política anti-hegemônica.

As pessoas que protagonizam e colaboram com o evento incluí mulheres trans e cis, sapatões, bixas, homens cis não heteros, homens trans, não bináries e outras performances de gênero monstruosas, que consideram que seus comportamentos expressos de maneira mais livre e a exposição de seus corpos, seja no audiovisual ou nas performances, possam ser objetificados, heterossexalizados e violados, caso o evento torne-se permissivo com a presença de homens cisheteros. Isto é, enfatizamos a não pertinência de homens cis héteros em nosso evento mesmo acreditando nas falhas de ajustamentos e nas contradições entre nós dissidentes, uma vez que estas devem ser repensadas de forma a não ofuscar, nem confortar as categorias políticas privilegiadas ou ainda trazer imunidade aos corpos historicamente constituídos a partir da intolerância, rigidez e abusos.

Espaços livres de identidades hegemônicas não implica necessariamente em um espaço seguro para as construções desviantes, pois nenhuma identidade está completamente imune para violar corpos produzidos como outros, uma vez que as opressões se entrecruzam e que os conflitos estão presentes em qualquer agrupamento animal.

Como ação política antihumanista, este evento repudia o heterossexismo e seu cistema antropocêntrico, enquanto regime político e visa a emergência e a propagação de manifestações corporais em desacordo com a normalidade. Por isso, entendemos que homens gays e trans, mulheres e lésbicas que se apropriam da virilidade, do falocentrismo e da performatividade cisheterossexual correm o risco de assimilar comportamentos opressores e extremamente violentos às dissidências, mesmo sendo violentadas em suas expressões de gênero e sua vivência sexual. Consideramos tóxicas essas atitudes opressivas, ainda que vinda de grupos dissidentes, esses comportamentos também não são bem-vindos.

Nesta direção convidamos todas as dissidentes para uma movimentação política que utiliza a arte como ferramenta de contestação às culturas normativas de sexualidade, gênero e resistência, em perspectiva anarquista, abordando vozes periféricas às indústrias da arte e do audiovisual e reunindo produções independentes do Brasil e América Latina.

Agressão e violência no lançamento do livro sobre heterofobia na UFRPE

1418389489As 19hrs do dia 24/04, ocorreu no auditório da ADUFERPE, o lançamento do livro “Heterofobia: Um risco para o Estado de Direito” do professor vinculado ao Departamento de Pesca, Ademir Ferraz, com distribuição gratuita para os presentes. Tal livro, que insiste em usar o termo HOMOSSEXUALISMO, defende entre outros absurdos, a ideia que as pessoas homossexuais são desequilibradas psicologicamente e que “buscam consciente ou inconscientemente a inversão da ordem estabelecida, carregando o mesmo ódio, que aos homofóbicos é atribuído, com a intenção de provocar um banho de sangue tal qual aconteceu na Alemanha nazista.” Ao saber da atividade, dissidentes sexuais, compareceram no lançamento com a clara intenção de protestar e repudiar a obra em questão.

Ademir inicia as atividades se colocando como isento e imune à qualquer atitude de preconceito e, da mesma forma que Idelber Avelar, justifica esta postura pela possível falta de processos administrativos na universidade que atestem sua postura preconceituosa, opressora e violenta.

LJA_2195

Após 30 minutos escutando os dejetos verbais de Ademir, baseados num entendimento completamente equivocado sobre as teorias psicológicas, sociológicas, antropológicas e médicas, foi iniciado o protesto, expressando como resposta a seguinte frase: DESEQUILIBRADO É VOCÊ! As ativistas tentaram localizar politicamente o discurso de Ademir, que, por sua vez, se referiu ao combate e repúdio incitado pelas mesmas como atestado de desequilíbrio. Ao dizer que o livro representa uma violência à comunidade sexo dissidente uma das ativistas queimou a obra firmando simbolicamente a disposição combativa contra às posturas machistas e autoritárias do professor.

Mesmo diante dos protestos, Ademir insistiu em dar continuidade com seu show de violência e estupidez, fazendo as ativistas se dirigiram a caixa de livros, a fim de resgatar um exemplar para usá-lo como prova material. Neste momento os garçons da empresa Graça Santos Buffet se dirigiram até as ativistas e iniciaram o processo de violência, a mando de Ademir, batendo, ferindo, rasgando as roupas, arrastando pelos cabelos e empurrado-as para fora da ADUFERPE. Os garçons foram imediatamente repreendidos por um diretor da ADUFERPE, porém na discussão travada contra a violência cometida, o professor Ademir ainda tentou agredir fisicamente uma das diretoras da associação de docentes, calúniou as ativistas e visivelmente violento e desequilibrado proferiu ameaças de morte.

Como se sabe Ademir é da coronelista família Ferraz – apesar de também ser persona non grata entre seus parentes por ter um talento ímpar para cultuar desafetos, confusões e brigas – e esta é conhecida da sociedade pernambucana pelos inúmeros casos de violência e assassinatos estampados nas páginas dos jornais locais. A família está atrelada ainda à dominação política coronelista agrícola e comercial em municípios no sertão de Pernambuco e pela brutal cultura de violência e machismo na qual submete seus membros. Também é bem sabido que Ademir profere gratuitamente ameaças de morte e insultos machistas contra as pessoas que ele discorda e é questionado.

Ao expressar sua versão dos fatos nas redes sociais e dizer-se atacado e agredido Ademir revela a perigosa e covarde estratégia da cultura opressora hegemônica  de afirmar o autoritarismo homossexual, recusando-se em reconhecer a própria violência e discriminação. Na realidade este é tanto um mecanismo de defesa do ego quanto um deslocamento/deturpação para garantir o livre exercício de sua violência. No sexismo esta negação é usada para manter e legitimar estruturas violentas de exclusão: “Elxs querem tomar o que é Nosso” “Ditadura Gay” “As mulheres querem dominar os homens”, então as mulheres, bichas, lésbicas, transsexuais, transgêneras e intersexuais tornam-se a imagem que o macho não quer ser relacionado, a de opressor, enquanto as pessoas ligadas a ideia de feminino se transformam em inimigas intrusivas dos padrões corretos e da moral cristã. Em outras palavras, o que fica claro é que a estratégia de perpetuação do machismo consiste em transformar o macho violento cheio de privilégios em vítima compassiva e oprimida e os setores oprimidos em tiranos.”

Este é mais um fato que atesta a extrema hostilidade existente no campus da UFRPE à comunidade sexo dissidente e a postura da instituição em não combater as violências proferidas pelos seus funcionários e por sua estrutura burocrática. Questionamos a ADUFERPE o espaço dado ao professor para lançar um livro com este teor político e mesmo cientes que o argumento da associação dos docentes é no sentido de fazer valer o direito do professor filiado de usar o espaço, indagamos aos diretores da ADUFERPE se o mesmo espaço seria dado para propagar o conceito de nazifobia, antisocialismo e antidemocracia, por exemplo. Estando certas que o consentimento da atividade se dá mesmo diante da posição contrária de vários diretores, alertamos a completa falta de debate a cerca das opressões e estigmatizações que circula a população sexo dissidente, mostrando uma esquerda ainda insensível com as violências e subjugações provenientes de uma estrutura machista.

Este livro, é a resposta de Ademir contra as posturas combativas de vários organismos políticos – entre eles a ADUFERPE – pelas suas expressões homofóbicas nas redes sociais e na universidade. Apesar de publicamente ter se declarado arrependido, na prática a “desculpa de joelhos do professor,” se dá com o lançamento de um livro que desqualifica político-psicologicamente homossexuais. Na ocasião, a reitoria publicou nota oficial afirmando que não concorda com as declarações e que iria tomar as providências cabíveis, garantindo amplo direito de defesa e manifestação a todas as partes.

professor-da-ufrpe-universidade-federal-rural-de-pernambuco-causa-polemica-com-comentarios-homofobicos-no-facebook-1389731070737_615x470

Liberdade de expressão não é liberdade de opressão. Discriminação, humilhação, patologização e inferiorização da população sexo dissidente além de representarem a sofisticação do discurso de ódio, são exatamente os princípios que fundamenta todas as violências, agressões e extermínio que lésbicas, travestis, mulheres e bichas estão submetidas pela estrutura patriarcal. É inadmissível e repugnante que uma universidade federal se apresente cúmplice destas violências entendendo a livre expressão de ódio e repulsa contra sexo dissidentes como uma simples opinião. Em tempos de ascensão evangélica no legislativo, entendemos que uma obra como esta – mesmo tão mal escrita e com tantas incoerências acadêmicas – pode servir de base para vários grupos políticos conservadores justificar suas ações violentas e pior ser referência para elaboração de leis que controlem ainda mais a população sexo dissidente, uma vez que a obra argumenta que o Estado de Direito está em risco graças a combatividade anti-heterosexista.

Por fim, gostaríamos de lembrar que a política da Universidade consiste em criminalizar performances artísticas questionadoras dos padrões de gênero e da heterossexualidade compulsória enquanto abriga e faz vista grossa aos funcionários homofóbicos e misóginos, protegendo e não indo contra um docente que escreve um livro pretendendo atestar a inferioridade psíquica das homossexuais combativas do sexismo tão violento contra nossos corpos. Neste momento de ameaça à liberdade das dissidentes sexuais, vemos a importância de convocar todos coletivos e pessoas apoiadoras da dissidência sexual, a organizarmos um grande ato público contra o professor e sua obra e contra a cumplicidade da UFRPE com as violências cometidas pelas pessoas que lá trabalham.

PELA EXONERAÇÃO DE ADEMIR FERRAZ
POR UMA COMBATIVIDADE ATIVA CONTRA A VIOLÊNCIA HETEROSSEXISTA
TODO REPÚDIO À CUMPLICIDADE DA UFRPE COM A VIOLÊNCIA HETEROSSEXISTA