Feminismo liberal e Esquerda Assimilada descredibilizam denúncia e protege agressores de pessoas trans

Com maestria foi anunciado o som da Orquestra Popular Burguesa pelo Direito de todxs à Cidade Classe Média. Primeiramente a Moderação do Grupo Direitos Urbanos, remove postagem de denúncia de agressão cometida por Ítalo Bazon e apoiada por Roger de Renor. Depois posts de Carlota Pereira e Liana Cirne concluem a apresentação dando o toque clichê de naturalização da violência sexista. Tudo ao vivo direto do Teatro Santo Mark Zuckerberg.

11041304_169870280012233_3072073054095079242_o

“Minha frustração, chateação ou inquietude, como queira chamar, surge quando me deparo com várias situações ao meu redor em que se supõe que, segundo o discurso, deveríamos já ter superado ou no mínimo trabalhado sobre elas e que, muitas vezes, reproduzimos os comportamentos mais ordinários do oportunismo clássico.

Vejo que colegas (gurias) são agredidas por seus companheiros, física e psicologicamente, vejo que colegas (principalmente caras) escondem sua homossexualidade, vejo que quando acontece algum debate sobre sexismo ou patriarcado é sempre uma iniciativa das gurias e as posturas dos caras são bastante patéticas, vejo milhares de dinâmicas que reproduzem as desigualdades entre caras e gurias, homos e héteros (cantadas, papeis em reuniões,restrição à escrita…), vejo hierarquias informais que fazem com que tenhamos uma dupla moral frente a diversas situações (credibilidade de acordo com a pessoa, cantadas, abuso, agressões…), vejo que não temos mecanismos para afrontar tudo isso, e que nem sequer temos um espaço, ou interesse para criá-lo, onde possamos falar sobre e procurar saídas…”

“Sobre gênero e caras “do rolê” (ou de como estamos com a merda até o pescoço).” Texto difundido em 2004 no Indymedia e no fanzine espanhol “Bailamos?”. Versão em português publicada no livro Tesoura Para Todas: Violência Machista nos Movimentos Sociais, 2013. Ed. Deriva

A denúncia de agressão e cumplicidade machista compartilhada na ARCA ocorrida na última edição do Som na Rural, revela com detalhes, o nível em que a discussão sobre violência sexista encontra-se no cenário político de Recife. Usos de fala e compartilhamentos oportunistas, além de comentários que classificam a denúncia como farsa, embasados nas relações pessoais com celebridades e outros tantos clichês machistas, evidenciados por apenas um motivo: a denúncia compromete diretamente o fazer político de quem faz arte urbana e se apropria dos discursos de direito à cidade. Apesar da agressão não ser formalmente negada pelos denunciados, muita gente concluiu que a publicação não contém provas e que as informações eram imprecisas e truncadas.

Acreditamos que o texto localiza muitíssimo bem a violência ocorrida e a cumplicidade do produtor cultural com o agressor, além das informações descritas contarem com uma quantidade significativa de testemunhas, entre elas a ex-cunhada do agressor que também profere uma nota publicada no blog da ARCA. O texto também denuncia a cumplicidade do Som na Rural com incitadores de estupro e também relata a contínua perseguição de Ítalo às pessoas trans, expulsando-as do local. Mas ainda assim a muita gente ainda crê que estas informações são insignificantes para a denuncia publicada.

450xNTais justificativas apenas atestam que o combate ao machismo visto nas pessoas que compõe o nicho mercadológico da esquerda assimilada e colaboracionista é seletivo e midiático, não admitindo questionamentos incisivos com as pessoas na qual há interesse de articulação ou de visibilidade. A moderação do Grupo Direitos Urbanos, Liana Cirne, Carlota Pereira, Edilson Silva e várias outras pessoas ligadas ao PSOL agem descredibilizando a denúncia e colocando os apontados em locais de conforto, como faz toda a estrutura da supremacia machista tão enraizada no Estado Democrático de Direito, estrutura que todas as citadas parecem reivindicar não reconhecendo que a lógica de Estado e Elite Soberana é uma das mais sofisticadas e perigosas tecnologias de dominação patriarcal.

Tal posição atesta o completo desconhecimento a cerca de toda uma epistemologia, cuidado e prática feminista, transfeminista e sexodissidente sobre situações de agressão, assédios e abusos por parte de pessoas com amplo status social. Assim, empenham-se em reproduzir a norma opressora clichê de desacreditar nas vítimas e ao mesmo tempo não leva como prioridade que os denunciados não sejam acobertados ou confortavelmente inocentados, pelo contrário, expõe a falta de interesse e a incapacidade de questionar criticamente as pessoas que circulam em volta da sua redoma e fornecem vantagens para um fazer político realizado nos moldes de espetáculo. É sabido que esta postura pouco tem a ver sobre provas e informações precisas, tem a ver com o peso político que a nota implica e traz no apontamento de suas localizações. A maneira como foi lidado este caso escancara a pífia inserção nos debates sobre opressões sexuais e de gênero em perspectiva emancipatória e não assimilacionista de grupes e individues esquerdistas em Recife.

A invisibilidade, descredibilidade e rechaço de pessoas trans; proteção, camaradagem e solidariedade aos agressores, bem como a apatia, inércia e desprezo sobre uma grave situação de agressão contra pessoas trans por pessoas que estudam violência doméstica, por um feminismo elitizado e por esquerda demagógica e hipócrita também implica em racismo quando as que desvalorizam, negam e desmerecem a denúncia ocupam profissões de prestígio e privilegiadas na estrutura capitalista, são, não por acaso, pessoas brancas e/ou colaboradoras de valores brancos. Infelizmente o discurso de trabalhadoras ambulantes transgêneras e negras, sem prestígio social e sem colaborações sistemáticas com os privilégios hegemônicos, por mais rebuscado que se apresente, nunca foi colocado como algo credível e possível de verdade. No Estado Democrático de Direito é o discurso do colonizador vestido pela etiqueta civilizada que é aceito e na sua maioria das vezes incontestável e é esta perversa estrutura e lógica de relação de poder que se reproduz nas mais diversas e pequenas situações submetidas por esta macropolítica.

11885236_596110167158090_3159042231227625484_n
O que vem acontecendo é exatamente o que o sistema machista faz com as mulheres todos os dias, só que com o agravante de partir de pessoas que tem uma militância expressiva na cidade, poder de convencimento e alto alcance de suas ideias. O poder político destas pessoas se dá apenas por serem sujeites que possuem poder e privilégios na atual estrutura de dominação e claro, colaboram com a exploração capitalista. O uso covarde do estereótipo de loucas, mentirosas, violentas, agressivas, barraqueiras estimulando a descredibilidade e estigmatização das vítimas, também implica em misoginia por se valer de estereótipos criados pela lógica machista para deslegitimar, tão comumente, pessoas ligadas a ideia de feminino. Ainda foi relatado falaciosamente, na tentativa de deslegitimar as denunciantes, que algumas companheiras estão se afastando do feminismo e que muitas entraram em depressão, por conta das denunciantes. As mesmas esclarecem que não compartilham, nem ao menos compõe espaços feministas institucionais, estudantis ou mesmo tradicionais na cidade, sendo a denúncia da advogada uma calúnia abominável usada apenas para estigmatizar pessoas trans, o que acarreta transfobia explicita, covarde e maquiavélica. Os espaços de luta antisexista que as denunciantes tentam se aproximar são aqueles com explicitas intenções e posicionamentos anticapitalistas, que certamente não são os mesmos que circulam a difamadora.

Consideramos que os desdobramentos da denúncia, a exclusão da nota da página do DU, os posts de Liana Cirne, a nota de Carlota e mais uma centena de compartilhamentos e comentários que deslegitimaram, escracharam e silenciaram as denúncias, estão completamente em desacordo com uma lógica e prática feminista para lidar com denúncia de agressões e casos que envolvem violência com pessoas de status. Como é que duas denúncias são feitas e as pessoas simplesmente não as problematizaram e focaram, estritamente, em uma defesa visceral de Roger e do Som da Rural? O que importa é a imagem da rural não ser transfóbica em detrimento da segurança e bem estar de todas as denunciantes?

Casos como este faz nos lembrar-nos de Idelber Avelar e Carlos Latuff e sobre como ter poder político pode inocentar ou relevar qualquer atitude politicamente controversa, também nós é salutar a lição e uma leitura crua sobre o ativismo em Recife: Empoderamento como status individualista, solidariedade branca e sustentada por profissões de prestígio, enquanto pessoas trans negras são agredidas a custas da invisibilidade, apatia e desprezo das que agregam valor político apropriando-se de discursos emancipadores com objetivo de acumular status.

Segue abaixo a mensagem da moderação do grupo Direitos Urbanos, justificando a exclusão do post:

“A moderação se reuniu para decidir sobre este post e chegamos à conclusão que ele parte de uma denúncia sem fundamento de provas. Mais: acusa Roger de violência quando não parece haver nenhum prova clara que isso aconteceu. Acredito que a própria semântica da denúncia carece também de clareza e discernimento, aumentando o clima de de incerteza quanto aos fatos. Desta forma, a moderação vai retirar o post e espera que a autora reformule de forma precisa e com provas substanciais a acusação. Caso contrário, seremos obrigados a retirar o post novamente. No mais, o a moderação do DU esclarece que este não é o primeiro e provavelmente não será o último post a ser retirado quando se trata de denúncia pouco esclarecedora. É preciso haver responsabilidade e provas para fazer este tipo de denúncia e o texto postado não parece ter seguido esta linha”.

Comentários em apoio as vítimas:

transito“Eu até entendia mais quando vocês não queriam romper com a brodagem, mas agora que muitos já romperam me pergunto por que fizeram isso seletivamente. (…) Eu preciso dizer que isso é transfobia. Vocês já se posicionaram contra o machismo e a favor da representatividade a partir de diversos episódios este ano e, em outra proporção, em anos anteriores, e aqui incluo o caso onde um grande amigo de Roger, Ortinho, fez apologia ao estupro. Por que o silêncio aparece sempre localizado quando as vítimas não são cis? Enfim, o silêncio nunca protegeu ninguém. Apelo para que leiam, compartilhem e falem sobre esse caso.”

“Os mesmos elogios que vc faz a roger eu faço às 2 amigas agredidas, numa militância que tem mt mais minha admiração e que, por nunca ter acontecido de forma exibicionista, fica num lugar desprotegido em relação a Roger, como se vê no post do DU. penso, ainda, que se começamos a desconfiar das vozes das vítimas, estamos concordando com os discursos que colocam estas pessoas – frequentemente mulheres – como histéricas. falar das relações que Roger   tem com pessoas não dissidentes é tokenizar a situação. é dizer que ele não reproduz sistemas de opressão pq até tem amiges oprimides. pois, a título de exemplo, digo que chamar Ortinho para cantar no Estelita depois dele fazer apologia ao estupro é ser conivente com as palavras de Ortinho. pra citar apenas uma situação. sinto que as discussões sobre machismo no recife estão ganhando um ar de “estão indo longe demais, problematizando demais, expondo demais” porque mais uma vez continuam individualizando essas manifestações opressoras, que nem sempre são tão escancaradas, mas são sempre sistemáticas.”

“Se tem uma coisa que marcou o afastamento entre o Movimento Ocupe Estelita e o grupo Direitos Urbanos, ao meu ver, foi a prática centralizadora e a pouca preocupação no empoderamento coletivo de muitos dos membros do DU para com as pessoas interessadas em compartilhar esse debate. não é a toa que uma série de vezes, em tópicos do grupo, as conversas continuem centradas nos poucos membros da moderação ou que se estabeleça frequentemente uma postura hierárquica de espaço de consulta.
Hoje as mesmas pessoas, no curso de comentários sobre a nota que acusa o Som na Rural de conivência com transfobia, impediram o texto pelo uso de uma série de termos essenciais para se analisar o que ocorreu e impedir a prática de gaslighting com as vítimas. me surpreende que, quando elas estão construindo algo coletivamente não se interessem em empoderar todos dos conceitos que usam frequentemente, e quando se trata de um movimento que pode deixar seus privilégios desmantelados como o transfeminista frente ao cisativismo, não só houve falta de esforço em compreender o que foi dito – o que se caracteriza como falta de empatia – mas se usou também de um discurso que está sempre nas bocas de quem reproduz a opressão machista: histérica, confusa, mentirosa.”

Links úteis:

10 reflexões para denunciados de abusos e agressão machista
Tesoura para todas: Textos sobre violência machista nos movimentos sociais
Cenas ativistas não são espaços seguros para mulheres
Transfobia é a epidemia que os movimentos sociais devem combater
Mulher, a esquerda não liga para você!

Agressão e violência no lançamento do livro sobre heterofobia na UFRPE

1418389489As 19hrs do dia 24/04, ocorreu no auditório da ADUFERPE, o lançamento do livro “Heterofobia: Um risco para o Estado de Direito” do professor vinculado ao Departamento de Pesca, Ademir Ferraz, com distribuição gratuita para os presentes. Tal livro, que insiste em usar o termo HOMOSSEXUALISMO, defende entre outros absurdos, a ideia que as pessoas homossexuais são desequilibradas psicologicamente e que “buscam consciente ou inconscientemente a inversão da ordem estabelecida, carregando o mesmo ódio, que aos homofóbicos é atribuído, com a intenção de provocar um banho de sangue tal qual aconteceu na Alemanha nazista.” Ao saber da atividade, dissidentes sexuais, compareceram no lançamento com a clara intenção de protestar e repudiar a obra em questão.

Ademir inicia as atividades se colocando como isento e imune à qualquer atitude de preconceito e, da mesma forma que Idelber Avelar, justifica esta postura pela possível falta de processos administrativos na universidade que atestem sua postura preconceituosa, opressora e violenta.

LJA_2195

Após 30 minutos escutando os dejetos verbais de Ademir, baseados num entendimento completamente equivocado sobre as teorias psicológicas, sociológicas, antropológicas e médicas, foi iniciado o protesto, expressando como resposta a seguinte frase: DESEQUILIBRADO É VOCÊ! As ativistas tentaram localizar politicamente o discurso de Ademir, que, por sua vez, se referiu ao combate e repúdio incitado pelas mesmas como atestado de desequilíbrio. Ao dizer que o livro representa uma violência à comunidade sexo dissidente uma das ativistas queimou a obra firmando simbolicamente a disposição combativa contra às posturas machistas e autoritárias do professor.

Mesmo diante dos protestos, Ademir insistiu em dar continuidade com seu show de violência e estupidez, fazendo as ativistas se dirigiram a caixa de livros, a fim de resgatar um exemplar para usá-lo como prova material. Neste momento os garçons da empresa Graça Santos Buffet se dirigiram até as ativistas e iniciaram o processo de violência, a mando de Ademir, batendo, ferindo, rasgando as roupas, arrastando pelos cabelos e empurrado-as para fora da ADUFERPE. Os garçons foram imediatamente repreendidos por um diretor da ADUFERPE, porém na discussão travada contra a violência cometida, o professor Ademir ainda tentou agredir fisicamente uma das diretoras da associação de docentes, calúniou as ativistas e visivelmente violento e desequilibrado proferiu ameaças de morte.

Como se sabe Ademir é da coronelista família Ferraz – apesar de também ser persona non grata entre seus parentes por ter um talento ímpar para cultuar desafetos, confusões e brigas – e esta é conhecida da sociedade pernambucana pelos inúmeros casos de violência e assassinatos estampados nas páginas dos jornais locais. A família está atrelada ainda à dominação política coronelista agrícola e comercial em municípios no sertão de Pernambuco e pela brutal cultura de violência e machismo na qual submete seus membros. Também é bem sabido que Ademir profere gratuitamente ameaças de morte e insultos machistas contra as pessoas que ele discorda e é questionado.

Ao expressar sua versão dos fatos nas redes sociais e dizer-se atacado e agredido Ademir revela a perigosa e covarde estratégia da cultura opressora hegemônica  de afirmar o autoritarismo homossexual, recusando-se em reconhecer a própria violência e discriminação. Na realidade este é tanto um mecanismo de defesa do ego quanto um deslocamento/deturpação para garantir o livre exercício de sua violência. No sexismo esta negação é usada para manter e legitimar estruturas violentas de exclusão: “Elxs querem tomar o que é Nosso” “Ditadura Gay” “As mulheres querem dominar os homens”, então as mulheres, bichas, lésbicas, transsexuais, transgêneras e intersexuais tornam-se a imagem que o macho não quer ser relacionado, a de opressor, enquanto as pessoas ligadas a ideia de feminino se transformam em inimigas intrusivas dos padrões corretos e da moral cristã. Em outras palavras, o que fica claro é que a estratégia de perpetuação do machismo consiste em transformar o macho violento cheio de privilégios em vítima compassiva e oprimida e os setores oprimidos em tiranos.”

Este é mais um fato que atesta a extrema hostilidade existente no campus da UFRPE à comunidade sexo dissidente e a postura da instituição em não combater as violências proferidas pelos seus funcionários e por sua estrutura burocrática. Questionamos a ADUFERPE o espaço dado ao professor para lançar um livro com este teor político e mesmo cientes que o argumento da associação dos docentes é no sentido de fazer valer o direito do professor filiado de usar o espaço, indagamos aos diretores da ADUFERPE se o mesmo espaço seria dado para propagar o conceito de nazifobia, antisocialismo e antidemocracia, por exemplo. Estando certas que o consentimento da atividade se dá mesmo diante da posição contrária de vários diretores, alertamos a completa falta de debate a cerca das opressões e estigmatizações que circula a população sexo dissidente, mostrando uma esquerda ainda insensível com as violências e subjugações provenientes de uma estrutura machista.

Este livro, é a resposta de Ademir contra as posturas combativas de vários organismos políticos – entre eles a ADUFERPE – pelas suas expressões homofóbicas nas redes sociais e na universidade. Apesar de publicamente ter se declarado arrependido, na prática a “desculpa de joelhos do professor,” se dá com o lançamento de um livro que desqualifica político-psicologicamente homossexuais. Na ocasião, a reitoria publicou nota oficial afirmando que não concorda com as declarações e que iria tomar as providências cabíveis, garantindo amplo direito de defesa e manifestação a todas as partes.

professor-da-ufrpe-universidade-federal-rural-de-pernambuco-causa-polemica-com-comentarios-homofobicos-no-facebook-1389731070737_615x470

Liberdade de expressão não é liberdade de opressão. Discriminação, humilhação, patologização e inferiorização da população sexo dissidente além de representarem a sofisticação do discurso de ódio, são exatamente os princípios que fundamenta todas as violências, agressões e extermínio que lésbicas, travestis, mulheres e bichas estão submetidas pela estrutura patriarcal. É inadmissível e repugnante que uma universidade federal se apresente cúmplice destas violências entendendo a livre expressão de ódio e repulsa contra sexo dissidentes como uma simples opinião. Em tempos de ascensão evangélica no legislativo, entendemos que uma obra como esta – mesmo tão mal escrita e com tantas incoerências acadêmicas – pode servir de base para vários grupos políticos conservadores justificar suas ações violentas e pior ser referência para elaboração de leis que controlem ainda mais a população sexo dissidente, uma vez que a obra argumenta que o Estado de Direito está em risco graças a combatividade anti-heterosexista.

Por fim, gostaríamos de lembrar que a política da Universidade consiste em criminalizar performances artísticas questionadoras dos padrões de gênero e da heterossexualidade compulsória enquanto abriga e faz vista grossa aos funcionários homofóbicos e misóginos, protegendo e não indo contra um docente que escreve um livro pretendendo atestar a inferioridade psíquica das homossexuais combativas do sexismo tão violento contra nossos corpos. Neste momento de ameaça à liberdade das dissidentes sexuais, vemos a importância de convocar todos coletivos e pessoas apoiadoras da dissidência sexual, a organizarmos um grande ato público contra o professor e sua obra e contra a cumplicidade da UFRPE com as violências cometidas pelas pessoas que lá trabalham.

PELA EXONERAÇÃO DE ADEMIR FERRAZ
POR UMA COMBATIVIDADE ATIVA CONTRA A VIOLÊNCIA HETEROSSEXISTA
TODO REPÚDIO À CUMPLICIDADE DA UFRPE COM A VIOLÊNCIA HETEROSSEXISTA

Jovem mapuche transexual foi brutalmente agredida no Chile

Difícil realidade para dissidentes sexuais na América Latina, após a trágica agressão de Verônica Bolina no Brasil, infelizmente divulgamos a notícia de agressão de Cláudia, transexual da etnia indígena Mapuche que trabalha como prostituta nas ruas de Temuco, Chile

Segue a denúncia do MOVILH:

O Movimento de Integração e Libertação Homossexual (MOVILH) denúncia uma violenta agressão que uma mapuche trans teria sofrido contra sua identidade de gênero

Desde 13 de abril a jovem transexual Claudia Camila Nahuelhual Cayuqueo (34), se encontra internada no hospital Hernán Henríquez Aravena em Temuco, após ser brutalmente agredida quando exercia o comércio sexual próximo a esquina da rua Prat com Varas.

Segundo o relato da vítima, um sujeito, em razão da sua identidade de gênero, agrediu-a segurando sua cabeça contra o cimento do chão, deixando seu rosto completamente desfigurado.

A Rede Assistencial Antumawida está acompanhando à vítima desde que aconteceu o fato, explicou ao Movilh que a jovem deveria ter todo seu cabelo raspado para ser submetida a diversas operações, pois como resultado do ataque “sua mandíbula ficou fraturada e deverão ser postos pinos na sua cara”.

O caso já está sob conhecimento do Governo, que deliberou Mário Gonzalez, do Ministério do Interior para visita à vítima no último domingo.

Claudia que foi inicialmente hospitalizada como homem, teve, felizmente, este descuidado corrigido garantindo o respeito à sua identidade de gênero, conforme exige a Lei Zamudio e os artigos 34 e 21 do Ministério da Saúde chileno.

Fonte: Soy Chile

file_20150421125419

DACS UFPE divulga nota de repúdio contra a UFRPE

Depois da nota de repúdio contra a censura da performance TRANS(torno)ISTO ser entendida como uma declaração de guerra pelo DACS-UFRPE, ativistas da dissidência sexual buscaram apoio de diversos organismos políticos com o objetivo de levantar resistência contra as retaliações da instituição e questionar de maneira construtiva, as posturas e medidas tomadas pelo DACS-UFRPE, que até o momento não entende o veto a performance como censura,  expondo, não só uma problemática a cerca da ideia do termo, mas sobretudo, a incapacidade de perceber que não existe coletivos e pessoas imunes de reproduzir comportamentos e posições autoritárias.

Segue abaixo a nota do Diretório Acadêmico de Ciências Sociais da UFPE:

NOTA DE REPÚDIO CONTRA Á POSTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO E QUESTIONAMENTO AO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE CIÊNCIAS SOCIAIS.

22603_751430484955536_14077821047781605_n

O DACS-UFPE entende a performance TRANS(torno)ISTO, apresentada no dia 19/03 no Centro de Ensino e Graduação – CEGOE, na semana de recepção de calourxs de Ciências Sociais da UFRPE como uma intervenção artística de cunho político. Enquanto Diretório com função de garantir o direito dos estudantes de ciências sociais, não poderíamos deixar de nos posicionarmos contra a criminalização e medidas tomadas durante e após a intervenção.

Vivenciamos diariamente dentro e fora da Universidade a opressão e a censura diante de tudo que não se encaixa no modelo de ideologia normativa, que garante e reforça privilégios de grupos que, por existir, oprimem e excluem. Acreditamos que a Universidade age dentro de um modelo de Instituição controladora do corpo e não entendemos, nem compactuamos, com qualquer tipo de censura e medidas de imposição, como as que ocorreram. Compreendemos que as posturas da Instituição levantam um precedente perigoso devido às tentativas de criminalização da criação artística, como também, no que se relaciona ao modo como este ambiente acadêmico lidará com os questionamentos, comportamentos e produção de conhecimento críticos, contestadores e “não científicos”.

Entendemos também que boa parte das acusações e preconceitos em relação à apresentação existem por conta das cenas de nudez que se apresentam de maneira inconveniente a muitos olhares. Isso ocorre, principalmente, porque a moral hegemônica/dominante na qual somos “socializados” tem como um de seus fundamentos a repressão da expressão corporal aprisionada pela culpa. Uma moral heteronormativa e patriarcal que recrimina a ciência e a arte quando não servem estritamente à burguesia, aos heterossexuais, aos brancos e aos homens-cis.

Somos contra a postura de Instituições, manifestações e atos que reproduzem esta moral vil que serve apenas a esta parte da sociedade. Sentimo-nos responsáveis por combater ações repressoras, preconceituosas e excludentes. Somos a favor do corpo, da singularidade e não apoiaremos nem nos calaremos diante de instituições e atos que reproduzam este tipo de pensamento que não abre espaço ao diálogo. Propomos uma Universidade incentive a crítica, a inventividade, a autonomia e a resistência.

Vemos a discussão e apontamentos suscitados pelo ativismo da dissidência sexual como uma pauta extremamente pertinente, por isto, prestamos apoio e solidariedade as performers envolvidas, bem como solicitamos o cancelamento dos processos e inquéritos policiais e a imediata abertura de um grande debate sobre o fazer artístico e produção de conhecimento. Dentro da Universidade trabalhamos com multiculturalidade e representatividade e, assim como o DACS-UFRPE, também acreditamos que há diversas formas de desconstrução quando se trata do debate acerca de gênero e sexualidade. Dessa maneira, pensamos que a performance TRANS(torno)ISTO é uma forma combativa e direta de possibilitar essa desconstrução e que, por essa razão, não deveria ser vetada nem punida. E o que chamam de “elementos não-convencionais”, chamamos de elementos reais e existentes que são proibidos todos os dias em nossa sociedade.

Nos propomos a participar de um grande debate com o DACS-UFRPE e com os demais envolvidos. Por fim, apoiamos a performance e valoramos positivamente sua combatividade. Além disso, repudiamos o machismo e a transfobia da parte de quem representa a instituição enquanto “seguranças”: acreditamos que estes, sim, devem ser punidos. Machistas, racistas, homo, lesbo, bi e transfóbicos não passarão!

Por uma Universidade que defenda a multiculturalidade e a representatividade de Todxs

1926923_585659021523403_505054306_n

Com a palavra: As performers

Captura de tela inteira 31082013 022328.bmp

Não somos homens, somos dissidentes sexuais, somos o fracasso do patriarcado e uma falência enquanto macho. Nossas veias não são viris, ao usarmos nosso cu como instrumento de prazer, excretamos a virilidade e libertamos nosso corpo deste cativeiro que é a masculinidade compulsória. Somos afeminadas, translésbichas contra o heterocapitalismo, por que renegamos o projeto patriarcal e lutamos pela libertação do nosso corpo, da nossa sexualidade e de toda e qualquer dominação masculina.

DSC_0029

“O temor da sociedade pelos corpos nus
O temor da sociedade pela liberdade
A vestimenta é a primeira estratégia de controle do corpo. É o que fez a humanidade deixar de ser animal

Roupas sempre foram usadas pela Elite, enquanto escravos, índios, crianças, bichos e máquinas sempre estiveram nus

Para uns atentado violento ao pudor, para outros estratégia de ação direta contra a perpetuação do conservadorismo patriarcal”

É proferindo este texto que se inicia TRANS(torno)ISTO, performance preparada para o dia dedicado as questões de gênero na semana do calouro de ciências sociais da UFRPE. A performance, inicialmente censurada pelo Diretório Acadêmico do curso, aconteceu encerrando os debates e instigando os calouros para uma reflexão sobre transsexualidade, controle dos corpos e crítica a indolência da prática racional. A dupla que propôs a performance pretendia realizar um debate após a apresentação, porém foram duramente reprimidas por três seguranças da universidade, que ameaçavam aos gritos atirar e bater em todas as pessoas daquele ambiente, apenas porque a maioria delas decidiu defender a intervenção artística e contempla-la até seu final.

No Brasil as denúncias de violência contra a população sexo dissidente aumentaram cerca de 460%, totalizando mais de 6,5 mil casos de espancamentos e assassinatos. A violência na qual a performance foi submetida retrata exatamente esta realidade, mostrando uma universidade intolerante com expressões e formas não heterossexuais de construção de conhecimento, em nome de uma moral e um conservadorismo machista. Não por acaso, naquela tarde, as ameaças propagavam a agressão física e a intenção de matar, pois é assim que se deve tratar toda e qualquer iniciativa que se mostra disposta a questionar a supremacia patriarcal e combater seus desmandos. A violências cometidas pelo braço armado da universidade, são as mesmas que matam e espancam diariamente travestis e mulheres e homossexuais, dentro e fora das instituições públicas. 

DSC_0021

Diante da incisividade da performance, houveram muitas pessoas que disseram se sentir agredidas, desrespeitadas e impedidas de circular pela universidade. Estas pessoas estão dizendo que ficar frente a frente a um corpo nu é uma agressão e uma falta de respeito. Estas pessoas chamam órgãos sexuais de vergonha, isto é que deveria ser vergonhoso. Pessoas estão dizendo que um corpo nu é tão aterrorizante e violento que prende seus movimentos lhe impossibilitando de andar, o que representa uma imensa babaquice e apenas revela a ideologia moral que controla os corpos e impedem-nos de assumir esta dimensão natural. Questionamos o porquê da nudez incomodar tanto, o porquê da nudez está delegada tão somente aos espaços privados. Por que a roupa tem a pretensão de nos afastarmos de nossa condição animal? Sendo o controle dos corpos um objetivo a busca por um corpo livre, representado fielmente a a partir da nudez, é uma ameaça direta a estrutura vigente.

Entre diversos boatos por parte das pessoas comprometidas com a imposição da dominação patriarcal, as performers foram acusadas de queimar a bandeira nacional e urinarem em cima dela, fato que NÃO ocorreu. Uma das performers inicia a intervenção com um vestido verde e amarelo e detalhes azuis, estética que pretendia denunciar a cumplicidade do Estado brasileiro com o quantitativo brutal  de assassinatos de transexuais e transgêneros, fazendo do Brasil o país mais violento para dissidentes sexuais do mundo. Este vestido é rasgado com uma tesoura e uma série de cortes e pequenas mutilações no rosto e no corpo são feitas com navalhas, seringas e espelhos ilustrando a completa despatrialização do corpo trans que não está protegido pelo ufanismo de inspiração fascista. No imaginário trans o Brasil lembra sangue, prostituição compulsória, assassinatos, injustiça e invisibilidade.

No final da performance todos os objetos e materiais usados que constituí o estereótipo da transexualidade são queimados, representando todas as travestis assassinadas e registradas apenas como cinzas na história e nas estatísticas oficiais. Isto nada tem a ver com dano aos símbolos nacionais, este boato é apenas uma tentativa forçada de nos criminalizar e nos silenciar, embora, não podemos deixar de evidenciar que não achamos um absurdo queimar a bandeira de um país que elegeu como heróis aqueles que dizimaram a população indígena e aqueles outros tantos que se empenharam num projeto de Estado colonialista, latifundiário, desigual, etnocida, feminicida e transfóbico. Não somos obrigadas a ter respeito por um projeto de país tão tirano e de comportamentos claramente fascistas. Os hipócritas que falam em democracia mas não permitem e nem aceitam qualquer expressão de desqualificação do país, elaboram, mesmo sem querer, a repaginação e sofisticação da propaganda militar de 1964, responsável por silenciar lutas pela liberdade e tornando, a custa de muito sangue e vários desaparecimentos, as pessoas deste território mais estúpidas, ignorantes e cruéis.

brasil-ame-o-ou-deixe-o

Como a maioria as universidades brasileiras, a UFRPE demonstra nas redes sociais seu comportamento altamente conservador expresso tanto por sua alta administração quanto pelo seu corpo discente. Antes de apurar a situação o vice-reitor Marcelo Carneiro Leão, afirma a necessidade de convocar a Polícia Federal demonstrando a clara intenção da instituição de utilizar a performance como bode expiatório para perseguir diversidades estéticas, culturais e políticas. É uma tática de criminalização de artistas, pessoas trans e movimentos de resistência. Essa ação abre precedentes preocupantes para o modo como a universidade irá lidar com comportamentos alternativos ao hegemônico e ameaça gravemente a liberdade de criação e de expressão. Queremos alertar ao Professor Marcelo, que assim como inventaram que a reitoria estava conivente com o fato, inventaram também que queimamos a bandeira nacional, criando factoides para difamar e deslegitimar a performance. Democracia, respeito ao próximo e ser contra preconceito só faz sentido com práticas, professor, não com discursos.

A brutalidade e cegueira intelectual que impera nas mentes discentes e administrativas da UFRPE desconhece que em todo mundo performances questionadoras dos padrões sociais hegemônicos disputam espaços de construção de conhecimento em várias esferas, com a intenção clara de propagar possibilidades práticas mais libertadoras e levantar debate para os grandes tabus da sociedade. Em 2010 no Rio Grande do Norte, a performance de Pedro Costa foi selecionada e registrada em Diário Oficial para o XIII Salão de Artes Visuais realizado pela Prefeitura de Natal.  A apresentação consistia em tirar um terço do ânus, promovendo o que o artista chama de descolonização do corpo através da expurgação do terço, que é um dos símbolos do domínio colonialista. As fotos da performance ficaram expostas na galeria Newton Navarro subordinada a prefeitura da cidade.

Ainda em Natal, o Estado brasileiro através da UFRN financiou em 2013 a instauração cênica ‘Corpo Livre’ do grupo Cruor Arte Contemporânea, como projeto de extensão, além de abrigar as performances ‘Corpo Colônia’ de Jota Mombaça (2013) e ‘Caninga’ de Paula Salazar (2014), todas elas com nudez explicita.

Já em Manaus, em 2014 o gurpo Tabihuni criou a performance ‘Prisão de ventre na academia, que critica o tolhimento da criatividade nas universidades, apresentada na UFAM a convite de uma professora universitária. Em 2012, também na UFAM um grupo de alunos realizaram uma aula inaugural completamente nus. A edição do projeto Café com Arte tinha como objetivo mostrar na prática como funciona a técnica de monotipia.

Em 2014, outra performance de natureza bem similar foi apresentada na UFRPE, como trabalho na Semana de Ciências Sociais, continha cenas de nudez, costura de boca e imersão de corpos no lixo. Aliando este fato junto as referências acima citadas, atestamos a capacidade de justificar o caráter artístico da intervenção a qualquer órgão legal. Ainda assim, sendo o Estado brasileiro financiador, através das universidades e municípios, de muitas performances desta natureza não cabe recurso penal criminalizador, muito menos retaliação e perseguição das artistas envolvidas por parte das instituições. A tolice e imbecilidade dos setores conservadores que proferiram inúmeros dejetos textuais não merece resposta mais específica por se tratar de tamanha incompetência a cerca dos debates sobre questões artísticas questionadoras. Neste momento, os reacionários recalcados só podem dizer no máximo que não gostaram da intervenção, qualquer outra expressão que qualifique a apresentação como criminosa será encarada como mais uma violência e certamente será um convite para outra performance a altura, como forma de protesto e combatividade à posições conservadoras e autoritárias.

Com a certeza que a performance conseguiu agradar muitos dos calouros de ciências sociais, público alvo da ação, desejamos um inicio de semestre sem transtornos da machulência e sem a caretice dos hipócritas moralistas.

“Todo mundo quer saber o motivo… CANINGA, nome da performance, diz que os motivos são todos aqueles que se opõem a essa normalidade inculcada. Essa necessidade de coerência, essa obsessão pela lógica e pela racionalidade. As pessoas não se deixam atravessar. Todo conteúdo artístico esbarra em seus moralismos.
Sou contraria a exigência moralista da produtividade capitalista porque o que eu faço traz lucro para minha alma.
É o meu fazer político/artístico, ele se recusa a colaborar com esse sistema político representativo que aí está. Ele não é digno para os meus anseios como ser político. Não entende de feminismo, de liberdade de expressão, não age diretamente contra a intolerância (religiosa principalmente) e contra essa incapacidade de fazer sentido. Sobretudo, esse sistema finge que é democrático, finge que está aberto ao diálogo, finge que é humano.

Ação performática é censurada pelo Diretório Acadêmico de Ciências Sociais da UFRPE

Nesta semana ativistas da dissidência sexual foram censuradas e impedidas de apresentar uma intervenção artística pela entidade de representação dos estudantes de ciências sociais da UFRPE. A performance, que continha cenas de nudez, era voltada para os calouros do curso e pretendia contribuir com os debates sobre gênero que iriam acontecer no dia 19.

Como forma de prestar solidariedade as ativistas, publicamos a nota de repúdio com mais detalhes do caso:

NOTA DE REPÚDIO CONTRA O DACS-UFRPE

405-1318527602

O impedimento e censura executada ao ativismo da dissidência sexual1, na semana do calouro organizada pelo DACS/UFRPE, revela não só a sofisticação da academia em invisibilizar emergências questionadoras da heterossexualidade compulsória2 por todas as suas instâncias burocráticas e organizacionais, como também o perfeito alinhamento do diretório acadêmico com o conservadorismo e violência machista, ao tentar barrar uma performance artística antisexista e ao mesmo tempo propagar uma festa usando esteriótipos de objetificação da mulher a partir de músicas sexistas e misóginas.3

Uma pessoa ligada ao ativismo da dissidência sexual foi convidada por dois membros ativos do diretório a organizar o dia referente as reflexões sobre as questões de gênero na programação da semana do calouro. A proposta inicialmente recusada, foi aceita devido a exposição das dificuldades em organizar o evento e a confiança que estas duas pessoas dispuseram na ativista, sobre sua capacidade de articular bons nomes, garantindo a boa qualidade da atividade, dando-lhe assim carta livre para estruturar o dia.

A ativista montou um esquema diverso de apresentações de forma que garantisse a pluralidade e as múltiplas visões a cerca do gênero tanto no debate acadêmico, quanto no debate mais ativista, sendo uma exibição de filme com um pequeno debate com relatos de experiência trans, uma mesa no formato mais academilóide encerrando com uma performance artística.

tire-seus-padroes-do-meu-corpo-258400-1Durante uma reunião realizada no dia 13/03 membros do diretório, sem a presença da ativista apontaram uma inclinação que a performance não deveria ser apresentada, pois acreditam que o ambiente acadêmico deveria priorizar outros tipos de ações e que existiria a possibilidade da performance ser mal recebida junto ao corpo docente e administrativo do curso.

Fato é que no domingo 15/03 foi comunicado a ativista que pela performance conter cenas de nudez, o coletivo do diretório acadêmico impediu a sua realização justificando sua ação como uma estratégia para não sujar a imagem de uma articulação incipiente e considerando esta ação não apropriada para calouros de ciências sociais, bem como para o espaço acadêmico. Por sua vez, tendo seu esforço primeiramente com total liberdade e posteriormente censurado, a ativista decidiu se retirar da organização da atividade.

As justificativas do diretório acadêmico, revelam uma posição política que se compromete mais com as avaliações que o conservadorismo institucional possa vir a fazer, reproduzindo a prisão seus padrões, formatos e estilos, do que com a invisibilidade que formas de fazer político não hegemônicas e discursos críticos às estruturas coloniais sofrem.

Ao prezar pela boa imagem institucional, o diretório joga uma crítica política contra a hierarquização, indolência e arrogância trazidas pela supremacia da racionalidade frente a outras linguagens4 no lixo. Ao prezar pela boa imagem, o Diretório Acadêmico de Ciências Sociais, age invisibilizando discursos antisistemicos emancipadores como, não por acaso, faz a própria Universidade, o Estado e o capitalismo.

A tentativa de impedimento da performance apenas por conter nudez, e img001por isso considerá-la imprópria para os calouros de ciências sociais, deixa o diretório alinhado com as correntes mais conservadoras do cristianismo que protege com o uso de prisões e subjugações, as crianças das famílias nucleares heterossexistas5 das expressões de carinho, amor e afetividade da população sexo dissidente.

O ativismo sexo-dissidente crê na arte performática como uma forma legítima de fazer política, estimulando a reflexão crítica sobre a metodologia convencional imposta pela racionalidade e destruindo a perspectiva que a coloca como forma mais adequada de construir e propagar conhecimento, além de proporcionar instantaneamente que as possibilidades sugeridas se materializem e atinjam as pessoas por vias sensoriais. Não nos interessa discursos cheios de referências bibliográficas que são mantidos pela herança do sistema escravocrata, como os serviços de empregadas domésticas. Tampouco concedemos credibilidade a intelectuais que caracterizam a classe média como fascista, mas continuam inebriadas pelos privilégios que o sistema capitalista as fornece. Nosso interesse é propagar uma prática dissidente possível e trazer visibilidade a fazeres que estão criando por fora das engrenagens heterocapitalistas6, assim acreditamos no poder da estética para construir subjetividades revolucionárias e interseccioná-las contra as mais diversas formas de dominações que enaltecem o patriarcado.

Aos que se chocam com as ações, gostaríamos de dizer que as grandes mudanças da sociedade se dão a partir de polos radicais de debate, expressões de afetividade entre homossexuais em público já foram chocantes, mulheres reivindicarem direitos, usarem calça e terem cabelo curto já foi chocante, a travestilidade ainda é chocante, portanto, estas pessoas que já chocaram a sociedade, garantiram a longo prazo patamares menos desiguais, que entre outras coisas, hoje, possibilita nossa existência.
__________________________

1 Em contraposição a militância LGBT, que pauta sua luta na conquista de direitos, a noção de dissidência sexual acredita que na heterossexualidade enquanto um regime político autoritário que violenta, persegue e extermina pessoas que estão em dissidência da normalidade heterossexista.

2 Para mais informações ver RICH, Adrienne. “Heterossexualidade compulsória e existência lésbica”

3 As chamadas da calourada das ‘Ciências Sensuais’ continha músicas sexistas do imaginário popular como na ‘boquinha da garrafa’ e diversas imagens sugerindo a objetificação da mulher.

4 Para mais informações ver SANTOS, Boaventura de Souza. “Um discurso sobre as ciências”

5 Heterossexismo é o termo utilizado para referenciar o sistema ideológico que nega, estigmatiza, discrimina, humilha e menospreza qualquer forma de comportamento, identidade, relacionamento ou comunidade não heterossexual. O heterossexismo supõe que todas as pessoas são originalmente heterossexuais e que a heterossexualidade é superior e mais desejável do que as demais possibilidades sexuais.

6 Heterocapitalismo é um conceito trazido por Leonor Silvestri, a partir das ideias sobre capitalismo cognitivo de Deleuze e Guatarri. De acordo com a filósofx o heterocapitalismo opera através da colonização das subjetividades produzindo desejos e modos de relações enaltecedores de uma lógica heterossexual, e controlando as maneiras de perceber o mundo de modo que garantam a supremacia e dominação masculina. Há também algumas produções textuais que consideram a heterossexualidade, definida a partir da ciência, como estratégia vital para a ascensão e consolidação do capitalismo.