SELEÇÃO DE FILMES: MoNSTRA Intinerante POA

A MONSTRAMostra Nordestina de Sexualidades, Travestilidades e Resistência no Audiovisual – chega em Porto Alegre trazendo um pouco de cultura de resistência sexo dissidente para propor além de outro mundo, outros desejos possíveis.

A Uma movimentação política que utiliza a arte como ferramenta de contestação às culturas hegemônicas de sexualidade, gênero e resistência. Em perspectiva anarquista, aborda vozes periféricas às indústrias da arte e do audiovisual, reunindo produções independentes do Brasil e América Latina.

Articuladas com o Pornífero Festival que acontece desde 2014 na cidade de Lima, no Peru; com a FILMARALHO produtora audiovisual independente radicada na Cidade do México; com o Coletivo Coiote de ação-direta pornoterrorista anti-arte; e com a Distro Dysca produtora independente de movimentações político-culturais combativas, buscamos reunir materiais artísticos que questionem a binarismo de gênero e seus esteriótipos, a heterossexualidade compulsória enquanto regime político, além do machismo e o sexismo enquanto culturas opressoras intrínsecas em nossos corpos. Tais materiais trazem questionamentos, propostas e possibilidades de descolonização e emancipação através de experimentações registradas e ações que combatem essas opressões.

Curtas, médias e longas-metragens, videoperformances, video-arte, registros e demais manifestações audiovisuais além de performances e debates constroem uma programação que põe o corpo no centro da mandala dos desejos.

SELEÇÃO DISTRO DYSCA:
Seleção de filmes enviados à convocatória da Distro Dysca, plataforma de agitação cultural crítica em perspectiva anticolonial, anticapitalista e antisexista

SELEÇÃO FILMARALHO
Produtora audiovisual independente radicada na Cidade do México, que visa a fomentação, circulação e discussão de filmes cuja temática tangencia a problematização de diferentes questões estéticas, sexuais e políticas.

SELEÇÃO PORNÍFERO:
O Pornífero Festival acontece desde 2014 na cidade de Lima no Peru com objetivo de apresentar liberdades visuais derivadas de práticas radicais em um contexto ibero-americano, que tem mudado através de uma lógica histórica repleta de regimes políticos assassinos e ditatoriais, instalado comodamente em um sistema pro capitalista neocolonial cuja característica principal é a tecnologia.

SELEÇÃO COIOTE:
As performances do Coletivo Coiote abrangem temas como violência de gênero e colonização do corpo expressos de forma a acionar sensações bastante fortes quando levadas às manifestações.

SERVIÇO:
MoNSTRA – Mostra Nordestina de Sexualidades e Travestilidades em Resistência no Audiovisual | Itinerância em POA
1º de Abril às 18h
Casa Frasca – Av. Independência, 406, Porto Alegre, RS

Vem aí: Monstruosas: Subpolíticas e Descolonialidades | 21 e 22 de Agosto em Recife

11791810_1619442058338708_82785805_nEncontro de catalisação de potências antissistêmicas através do corpo, e seus deslocamentos como possibilidade de vivências políticas de resistência. Articulado em perspectiva anticivilizatória.

Conectando geografias afetivas e espaciais, o encontro trará diálogos e tensionamentos diagramados no corpo enquanto ferramenta principal do existir político, pelo viés de sua atuação afetiva-sexual e performativa. Esses diálogos serão facilitados por personagens que pensam suas ações políticas desde o ponto local até sua expansão em território estendido, somando questionamentosoprimidos pelo cistema heterocapitalista.

Lutando por uma sexualidade livre, iniciada não pelo discurso da liberdade da ação sexual em si, nem pela classificação das diversidade sexuais já lidas, mas da liberdade de exercício do corpo e de seus devires, sendo sempre relido conforme seus novos dispositivos de desejo político. Buscamos um debate horizontal que tem como princípio desprogramador questionamentos provenientes de marginalidades e seus atravessamentos. Diagramando assim um corpo político na utopia do agora, uma existência trans-feminista-negra, de classe y gorda. Sem fronteiras.

Nessa diagramação estamos prezando pela autonomia dos corpos e suas resistências, articulando e experimentando cotidianos de emancipação pensando um corpo que é próprio e também é outro. Assim levantaremos práticas de autogestão anti-especistas, contraletradas e nômadas como horizontes de potência revolucionária.

>>>>>>>>> PROGRAMAÇÃO <<<<<<<<<

Sex – 21.08, 18hrs    
Pornífero Festival de Arte Pós-Pornô – Itinerância do Festival de Lima (PERU)

Apresenta e representa liberdades visuais derivadas de práticas radicais em um contexto ibero-americano, modificadas através de uma lógica histórica cheia de regimes políticos assassinos e ditatoriais, e instalando-se tensamente em um sistema pró capitalista pós colonial cuja brecha principal é a tecnologia. O material coletado para a programação, retrata uma disparidade estética e propositiva. O uso de sexualidades dissidentes como arma homicida, infectando um corpo heteronormativo que se via enquanto poderoso e definitivo. Material em video arte de países como México, Colombia, Chile e Peru, formam parte dessa seleção que trata de pôr ênfase na prática pós-pornô em países tão complexos como os da Latinamérica.

Sáb – 22.08, 15hrs
Kurso Kuir – Persepctivas Mestiças

Facilitado por Jota Mombaça que tem como ideia deslocar o sentido da apropriação “queer” no contexto “latinoamericano” a partir do contágio com as produções de uma rede de artistas-ativistas-articuladorxs que, desde as posições críticas de sujeitxs transbordermestizxs, pirateiam esse referencial, pervertendo seu sentido político associado à colonialidade.

Sáb – 22.08, 22hrs
Danzando en em Revolta

A pista de dança como campo de guerra, o corpo como arma bélica e a dança como movimento emancipatório. Para que nossas existências possam DANÇAR em REVOLTA a música do ruído da queda da civilização.

Com Solânge,tô aberta!: STA! é o fracasso da hetero/homonormatividade: festejar as margens e comemorar a precariedade. STA! é a música pirata, é o fracasso da arte!!! STA! é um buraco que todo mundo tem!!!

K-trina Errátik: Compõe pop-guerrilhas como declaração de guerra das bichas do terceiro mundo.

Eu o Declaro Meu Inimigo: “Aquele que puser as mãos sobre mim, para me governar, é um usurpador, um tirano. Eu o declaro meu inimigo!”, declaram também que a música pode ser perigosa.

Coletivo Coiote: A atualização estética da violência traz na noção de dispêndio uma nova gestão do corpo, aquele que enfrenta a violência enquanto agente e não mais como vítima. Só podemos destruir aquilo que é nosso, destruir é uma forma de consumo, o autoflagelo é a expressão não falada de “Este corpo é meu”. O empoderamento se dá em uma relação agonística de destruição e auto-descolonização, enfatizando a caracterização estética da esquizofrenia, da sujeira, da sexualidade dissidente como existência potencial, afirmadora de sentido e que denuncia a passividade enquanto cúmplice da violência higienista.

Mais informações:
Página do evento no facebook: Monstruosas: Subpolíticas e Descolonialidades
Contato Distro Dysca: distrodysca@bastardi.net

Convocatória de trabalhos: “Monstruosas – Subpolíticas e Descolonialidades”

11791810_1619442058338708_82785805_n

Está aberta a convocatória de trabalhos para exposição no “MONSTRUOSAS – Subpolíticas e Descolonialidades”.

A proposta é fazermos um festival sobre dissidência sexual falando desde nosso contexto sudaka, numa das partes mais marginalizadas do território, o nordeste do Brasil. O evento será gratuito e autogerido, com objetivo de agregar e somar a maior quantidade de personas non gratas ao cistema heterocapitalista.

Convidamos pessoas, individualidades, agrupamentas e coletivos que tenham projetos subversivos de performance, instalação, dança, teatro, visuais (fotografia, ilustração, pintura, escultura) ou qualquer outra manifestação artística/política no qual, tenha como tema “dissidência sexual e descolonização”. Temos em vista a necessidade urgente de visibilizar práticas e produções ligadas a feminismos, transfeminismos, intersecionalidades, guerrilhas kuir e pós identitárias que desestruturem a moral e desprogramem nossos corpos. Anti-arte e artistas que de alguma forma se sentem oprimidxs pelo sistema branco, higienizador e colonizador serão muito bem vindes. As performances acontecerão em paralelo a Itinerância do Pornífero Festival e cada apresentação não poderá exceder o tempo de 20 minutos. Nos casos dos trabalhos que tenham mais que esta duração, podemos tentar adaptar e pensar em soluções em conjunto, contudo, a seleção atenderá os critérios acima citados. Cada artista deve se responsabilizar pela montagem e concepção dos trabalhos, o encontro será totalmente autogestionado pelas organizadoras e o cuidado, execução e montagem das obras, será de completa autonomia dxs proponentes. O projeto deve ser enviado até 10 de agosto para distrodysca@bastardi.net, contendo:

  • Resumo: uma síntese do que se trata o trabalho, em 5 linhas
  • Justificativa: um pequeno texto com argumentos sobre a pertinência do seu trabalho no evento, no máximo de 10 linhas
  • Referências: trabalhos artísticos, literários ou textuais que inspiram ou a que remete ao seu trabalho.

Haverá uma reunião prévia com xs artistas no dia 15/08/2015 para nos conhecermos e conversamos sobre questões práticas das execuções.

Abaixo uma lista de inspirações que nos excitam:

HIJA DE PERRA
LEONOR SILVESTRI
ALGODÃO ROSA CHOQUE
PUTINHAS ABORTEIRAS
SAPATANIKAS
SELVÁTICAS
PEDRO LEMEBEL
DZI CROQUETTES
MC CAROL
CLAUDIA WONDER
LAURA DE VISON
DIANA PORNOTERRORISTA
SOLANGE TO ABERTA
K-TRINA ERRATIK
ERRORISTAS
QUIMERA ROSA
BRUCE LA BRUCE
VERONICA DECIDE MORRER
LA POCHA NOSTRA
ANNIE SPRINKLE
CONGELADA DE UVA
CUERPO PUERCO
LA FULMINANTE ROJA
MERCENÁRIAS
GG ALLIN
RON ATHEY

Diretório Academico de Ciências Sociais UFRPE entende denúncia e questionamento político como declaração de guerra

10835078_347887075401760_443395399268821326_oApós a publicação da nota de repúdio realizada por ativistas da dissidência sexual sobre a censura de uma performance artística na semana no calouro de ciências sociais, o DACS/UFRPE expulsa a ativista do grupo de articulação numa rede social, por considerar o questionamento e as denúncias apresentadas uma declaração de guerra política.

A posição que o diretório acadêmico vem tomando desde que decidiu impedir de forma autoritária, arbitrária e conservadora uma performance artística sobre dissidência sexual, transexualidade e crítica a indolência racional expõe uma tensa problemática sobre a impossibilidade de questionar e denunciar os fazeres políticos desta coletividade sob as penas de expulsão e estigmatização, fechando-se ao diálogo e negando em emitir opinião sobre as denúncias declaradas.

A ação do DACS/UFRPE e as justificativas dadas para censura da perfomance abre precedentes perigosos, ameaçando a construção da luta pela liberdade e agindo diretamente na invisibilidade de discursos anti-hegemônicos apenas por estarem preocupados com uma boa imagem instuticional em detrimento aos interesses de quem se diz representar.

Com a palavra: As performers

Captura de tela inteira 31082013 022328.bmp

Não somos homens, somos dissidentes sexuais, somos o fracasso do patriarcado e uma falência enquanto macho. Nossas veias não são viris, ao usarmos nosso cu como instrumento de prazer, excretamos a virilidade e libertamos nosso corpo deste cativeiro que é a masculinidade compulsória. Somos afeminadas, translésbichas contra o heterocapitalismo, por que renegamos o projeto patriarcal e lutamos pela libertação do nosso corpo, da nossa sexualidade e de toda e qualquer dominação masculina.

DSC_0029

“O temor da sociedade pelos corpos nus
O temor da sociedade pela liberdade
A vestimenta é a primeira estratégia de controle do corpo. É o que fez a humanidade deixar de ser animal

Roupas sempre foram usadas pela Elite, enquanto escravos, índios, crianças, bichos e máquinas sempre estiveram nus

Para uns atentado violento ao pudor, para outros estratégia de ação direta contra a perpetuação do conservadorismo patriarcal”

É proferindo este texto que se inicia TRANS(torno)ISTO, performance preparada para o dia dedicado as questões de gênero na semana do calouro de ciências sociais da UFRPE. A performance, inicialmente censurada pelo Diretório Acadêmico do curso, aconteceu encerrando os debates e instigando os calouros para uma reflexão sobre transsexualidade, controle dos corpos e crítica a indolência da prática racional. A dupla que propôs a performance pretendia realizar um debate após a apresentação, porém foram duramente reprimidas por três seguranças da universidade, que ameaçavam aos gritos atirar e bater em todas as pessoas daquele ambiente, apenas porque a maioria delas decidiu defender a intervenção artística e contempla-la até seu final.

No Brasil as denúncias de violência contra a população sexo dissidente aumentaram cerca de 460%, totalizando mais de 6,5 mil casos de espancamentos e assassinatos. A violência na qual a performance foi submetida retrata exatamente esta realidade, mostrando uma universidade intolerante com expressões e formas não heterossexuais de construção de conhecimento, em nome de uma moral e um conservadorismo machista. Não por acaso, naquela tarde, as ameaças propagavam a agressão física e a intenção de matar, pois é assim que se deve tratar toda e qualquer iniciativa que se mostra disposta a questionar a supremacia patriarcal e combater seus desmandos. A violências cometidas pelo braço armado da universidade, são as mesmas que matam e espancam diariamente travestis e mulheres e homossexuais, dentro e fora das instituições públicas. 

DSC_0021

Diante da incisividade da performance, houveram muitas pessoas que disseram se sentir agredidas, desrespeitadas e impedidas de circular pela universidade. Estas pessoas estão dizendo que ficar frente a frente a um corpo nu é uma agressão e uma falta de respeito. Estas pessoas chamam órgãos sexuais de vergonha, isto é que deveria ser vergonhoso. Pessoas estão dizendo que um corpo nu é tão aterrorizante e violento que prende seus movimentos lhe impossibilitando de andar, o que representa uma imensa babaquice e apenas revela a ideologia moral que controla os corpos e impedem-nos de assumir esta dimensão natural. Questionamos o porquê da nudez incomodar tanto, o porquê da nudez está delegada tão somente aos espaços privados. Por que a roupa tem a pretensão de nos afastarmos de nossa condição animal? Sendo o controle dos corpos um objetivo a busca por um corpo livre, representado fielmente a a partir da nudez, é uma ameaça direta a estrutura vigente.

Entre diversos boatos por parte das pessoas comprometidas com a imposição da dominação patriarcal, as performers foram acusadas de queimar a bandeira nacional e urinarem em cima dela, fato que NÃO ocorreu. Uma das performers inicia a intervenção com um vestido verde e amarelo e detalhes azuis, estética que pretendia denunciar a cumplicidade do Estado brasileiro com o quantitativo brutal  de assassinatos de transexuais e transgêneros, fazendo do Brasil o país mais violento para dissidentes sexuais do mundo. Este vestido é rasgado com uma tesoura e uma série de cortes e pequenas mutilações no rosto e no corpo são feitas com navalhas, seringas e espelhos ilustrando a completa despatrialização do corpo trans que não está protegido pelo ufanismo de inspiração fascista. No imaginário trans o Brasil lembra sangue, prostituição compulsória, assassinatos, injustiça e invisibilidade.

No final da performance todos os objetos e materiais usados que constituí o estereótipo da transexualidade são queimados, representando todas as travestis assassinadas e registradas apenas como cinzas na história e nas estatísticas oficiais. Isto nada tem a ver com dano aos símbolos nacionais, este boato é apenas uma tentativa forçada de nos criminalizar e nos silenciar, embora, não podemos deixar de evidenciar que não achamos um absurdo queimar a bandeira de um país que elegeu como heróis aqueles que dizimaram a população indígena e aqueles outros tantos que se empenharam num projeto de Estado colonialista, latifundiário, desigual, etnocida, feminicida e transfóbico. Não somos obrigadas a ter respeito por um projeto de país tão tirano e de comportamentos claramente fascistas. Os hipócritas que falam em democracia mas não permitem e nem aceitam qualquer expressão de desqualificação do país, elaboram, mesmo sem querer, a repaginação e sofisticação da propaganda militar de 1964, responsável por silenciar lutas pela liberdade e tornando, a custa de muito sangue e vários desaparecimentos, as pessoas deste território mais estúpidas, ignorantes e cruéis.

brasil-ame-o-ou-deixe-o

Como a maioria as universidades brasileiras, a UFRPE demonstra nas redes sociais seu comportamento altamente conservador expresso tanto por sua alta administração quanto pelo seu corpo discente. Antes de apurar a situação o vice-reitor Marcelo Carneiro Leão, afirma a necessidade de convocar a Polícia Federal demonstrando a clara intenção da instituição de utilizar a performance como bode expiatório para perseguir diversidades estéticas, culturais e políticas. É uma tática de criminalização de artistas, pessoas trans e movimentos de resistência. Essa ação abre precedentes preocupantes para o modo como a universidade irá lidar com comportamentos alternativos ao hegemônico e ameaça gravemente a liberdade de criação e de expressão. Queremos alertar ao Professor Marcelo, que assim como inventaram que a reitoria estava conivente com o fato, inventaram também que queimamos a bandeira nacional, criando factoides para difamar e deslegitimar a performance. Democracia, respeito ao próximo e ser contra preconceito só faz sentido com práticas, professor, não com discursos.

A brutalidade e cegueira intelectual que impera nas mentes discentes e administrativas da UFRPE desconhece que em todo mundo performances questionadoras dos padrões sociais hegemônicos disputam espaços de construção de conhecimento em várias esferas, com a intenção clara de propagar possibilidades práticas mais libertadoras e levantar debate para os grandes tabus da sociedade. Em 2010 no Rio Grande do Norte, a performance de Pedro Costa foi selecionada e registrada em Diário Oficial para o XIII Salão de Artes Visuais realizado pela Prefeitura de Natal.  A apresentação consistia em tirar um terço do ânus, promovendo o que o artista chama de descolonização do corpo através da expurgação do terço, que é um dos símbolos do domínio colonialista. As fotos da performance ficaram expostas na galeria Newton Navarro subordinada a prefeitura da cidade.

Ainda em Natal, o Estado brasileiro através da UFRN financiou em 2013 a instauração cênica ‘Corpo Livre’ do grupo Cruor Arte Contemporânea, como projeto de extensão, além de abrigar as performances ‘Corpo Colônia’ de Jota Mombaça (2013) e ‘Caninga’ de Paula Salazar (2014), todas elas com nudez explicita.

Já em Manaus, em 2014 o gurpo Tabihuni criou a performance ‘Prisão de ventre na academia, que critica o tolhimento da criatividade nas universidades, apresentada na UFAM a convite de uma professora universitária. Em 2012, também na UFAM um grupo de alunos realizaram uma aula inaugural completamente nus. A edição do projeto Café com Arte tinha como objetivo mostrar na prática como funciona a técnica de monotipia.

Em 2014, outra performance de natureza bem similar foi apresentada na UFRPE, como trabalho na Semana de Ciências Sociais, continha cenas de nudez, costura de boca e imersão de corpos no lixo. Aliando este fato junto as referências acima citadas, atestamos a capacidade de justificar o caráter artístico da intervenção a qualquer órgão legal. Ainda assim, sendo o Estado brasileiro financiador, através das universidades e municípios, de muitas performances desta natureza não cabe recurso penal criminalizador, muito menos retaliação e perseguição das artistas envolvidas por parte das instituições. A tolice e imbecilidade dos setores conservadores que proferiram inúmeros dejetos textuais não merece resposta mais específica por se tratar de tamanha incompetência a cerca dos debates sobre questões artísticas questionadoras. Neste momento, os reacionários recalcados só podem dizer no máximo que não gostaram da intervenção, qualquer outra expressão que qualifique a apresentação como criminosa será encarada como mais uma violência e certamente será um convite para outra performance a altura, como forma de protesto e combatividade à posições conservadoras e autoritárias.

Com a certeza que a performance conseguiu agradar muitos dos calouros de ciências sociais, público alvo da ação, desejamos um inicio de semestre sem transtornos da machulência e sem a caretice dos hipócritas moralistas.

“Todo mundo quer saber o motivo… CANINGA, nome da performance, diz que os motivos são todos aqueles que se opõem a essa normalidade inculcada. Essa necessidade de coerência, essa obsessão pela lógica e pela racionalidade. As pessoas não se deixam atravessar. Todo conteúdo artístico esbarra em seus moralismos.
Sou contraria a exigência moralista da produtividade capitalista porque o que eu faço traz lucro para minha alma.
É o meu fazer político/artístico, ele se recusa a colaborar com esse sistema político representativo que aí está. Ele não é digno para os meus anseios como ser político. Não entende de feminismo, de liberdade de expressão, não age diretamente contra a intolerância (religiosa principalmente) e contra essa incapacidade de fazer sentido. Sobretudo, esse sistema finge que é democrático, finge que está aberto ao diálogo, finge que é humano.